Os amores acabam e não se despedem. Para cada um deles tenho uma ferida aberta no peito. Eles seguem na vida e eu fico aqui no meio do caminho a acumular desastres. Eles deixam de sentir e eu sinto eternamente. Sinto menos que amor, menos que saudade e frustração.Sinto uma coisa que não tem nome. Sinto isso que cresce como uma doença dentro de mim. Essa doença que não me matará, mas que definha o meu coração e tudo o que tem dentro até ninguém mais conseguir chegar aqui e eu ficar sozinha para sempre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ela

Conto I